quarta-feira, abril 27, 2011

XXV CAVALGADA DE VEREDINHA

XXIV CAVALGADA DE VEREDINHA MG
                Acontecerá em Veredinha, nos dias 23, 24 e 25 de Abril, a tradicional Cavalgada de Veredinha. Em 2017, a Festa não contará com o Rodeio mas, haverá a tradicional cavalgada com várias atividades e muitos shows com artistas famosos.


Seja Bem Vindo e Boa Festa!

HISTÓRICO DA FESTA DO PEÃO EM VEREDINHA
Dimas, 26/04/2011
C AVA L G A D A >>> F E S TA D O P E Ã O
                                B o i a d e i r o d e Ve r e d i n h a
            1A Cavalgada em Veredinha surgiu no mês de abril de 1992, em forma de uma brincadeira . Estavam reunidos alguns amigos (Vicente da Conceição, “Nei do Vino”, “Domingão”, José Adão,Vicente da Magela e outros), na porta do Bar do “Otavianinho” e, ali mesmo, começaram a discutir a possibilidade de confeccionarem um Judas e desfilar com ele a cavalo pelas ruas de Veredinha. Como a “malhação” do judas acontecia geralmente no Domingo da Páscoa, escolheram este dia para realizar tal brincadeira . A professora primária Neuza Fernandes, ouvindo os comentários do desfile do Judas pelas ruas de Veredinha, comentou com os responsáveis por essa diversão, que tinha visto como funcionava a CORRIDA DA ARGOLINHA em Diamantina e que era um evento emocionante. Os responsáveis pela simples brincadeira aceitaram a ideia de Dona Neuza e, a partir desse dia, passaram a convidar pessoas de toda a região que gostavam de lidar com animais para participarem do evento. A busca do Judas, que ficava escondido na Capela Nossa Senhora do Socorro, reunia centenas de cavaleiros que o buscavam e desfilavam com ele pelas ruas de Veredinha, despertando a curiosidade dos moradores. O judas, após o desfile, era pendurado em um jatobazeiro, no centro de Veredinha, onde ficava até à tardinha. Seguia-se então, a corrida da “argolinha” ,no local onde hoje é situada a praça Otaviano Ferreira de Macedo. Tal corrida era realizada da seguinte forma: os grupos eram compostos por 4 integrantes, e, geralmente, representavam comunidades ou cidades vizinhas. Cada integrante tinha o direito de tentar tirar a “Argolinha” por duas vezes . Nas duas primeiras Cavalgadas, logo após a corrida da “argolinha”, era  lido o “Testamento do Judas”, escrito normalmente por Ronaldo e Arlindo, inspirados no falecido "Vicente da Baia", pessoa que em tempos anteriores, segundo informações, fazia testamentos divertidíssimos. Após a leitura do testamento do judas, este era “malhado”(destruído) embaixo do jatobazeiro. O que mais se destacava nas primeiras Cavalgadas de Veredinha, eram a busca e desfile do Judas pelas ruas e a corrida da “argolinha”, até mesmo pela falta de opções de lazer, na época. Os responsáveis pela festa dispunham de pouco recurso, mas tudo era novidade. A população demonstrava grande expectativa em relação à aparência e ao testamento do judas. Com o entusiasmo da população, a presença e a participação de alguns visitantes, o Domingo da Páscoa ficou pequeno para tantas atrações. E assim, a leitura do “Testamento do Judas” e sua “malhação”, às vezes se estendiam até à  noite. Como a festa começava a tomar uma proporção muito grande e a ocupar todo o Domingo da Páscoa, o Padre da época (Pe. Silvano) solicitou aos responsáveis a mudança do dia da festa, alegando que o Domingo da Páscoa era um dia de orações e a festa estava atrapalhando esse momento espiritual. Disse ainda que, se a festa não fosse mudada de data, ele não iria responder mais pela paroquia de Veredinha. Assim, a festa passou a acontecer um final de semana após o Domingo da Páscoa. Como a comissão não possuía recursos próprios para a premiação, pedia patrocínio aos comerciantes e alguns políticos da região . Na primeira cavalgada, Geraldo Mascate cedeu seu microfone e um alto falante para que o membro da Comissão, Vicente da Conceição, narrasse a corrida de “argolinhas”. Geralmente o prêmio para a equipe vencedora era um potro.
Os recursos financeiros para a realização da festa eram difíceis. Para a confecção do Judas, os responsáveis seguiram uma tradição antiga de pedir colaboração financeira aos comerciantes locais. Muitas vezes, os próprios organizadores tiravam dinheiro do bolso para ajudar. Os primeiros responsáveis pela confecção do judas eram o Sr. Eujácio Gandra, Olímpio do Antônio da Francisca, “Quim do Doro” e outros.
                A Cavalgada surgiu como um encontro de pessoas ligadas à lida com animais (bovinos e eqüinos), que posteriormente foram convidando outras que gostavam de montarias e assim foi formando a Comissão Organizadora.
A Comissão sempre estava se renovando: alguns saíam por motivos diversos e outros se apresentavam para ajudar e fazer parte da mesma. Os membros da comissão não tinham nenhuma remuneração. Nas primeiras Cavalgadas, a comissão era fundamental nas decisões relacionadas à festa. Sem a Comissão, era praticamente impossível sua realização, pois a organização dava muito trabalho. Os integrantes, às vezes, não dispunham de tempo para assistirem às próprias promoções. A cavalgada foi realizada por quatro vezes na praça do Cruzeiro, sendo três delas onde atualmente é a Praça Otaviano Ferreira de Macedo e a outra em frente a mercearia do Gaspar do Luís do Santo .
Na época, a Comissão Organizadora achou que estes locais seriam os mais adequados para a realização da cavalgada, observando que eram centralizados, tinham um bom espaço e alguns bares por perto. Com o passar do tempo, a festa foi se tornando tradicional e a cada ano aumentava o número de pessoas para assistir às atrações. Já na quarta Cavalgada, devido ao grande número de pessoas, o local se tornou inadequado para a realização do evento.
A Comissão concluiu, então, que para a realização da Quinta Cavalgada, seria necessário construir uma pista para a corrida das “argolinhas” e uma arena para montarias, transferindo o evento para as imediações do atual Campo de Futebol.
Só nesse momento é que a Prefeitura de Turmalina auxiliou a Comissão, cedendo a patrol para fazer a terraplanagem do local onde seria a arena. Alguns particulares como Neném do Vicente Francisco e Avair (atualmente Vereador em Leme do Prado) ofereceram dois caminhões de madeira para a construção da mesma. A construção da arena foi realizada gratuitamente pelos próprios membros da comissão. Nessa época ainda não tinha o palanque para o som e este era colocado sobre algum caminhão. A areia era pouca e as cancelas e os bretes eram feitos de eucalipto. Com a mudança do local da festa, foi possível a realização de novas atrações como: Montarias em touros e cavalos, Prova do Cavalo Marchador, Mesa da Amargura e “Futboi”. A partir da emancipação de Veredinha(22 de dezembro de 1995), período da quinta Cavalgada, a Prefeitura Municipal passou a patrocinar o evento, aumentando o valor do patrocínio a cada ano. Houve grandes melhorias na estrutura da festa, o que fez com que esta se tornasse uma das festas mais atraentes da região.
             No ano de 2000, a Comissão já contava com 25 membros. Estes se reuniram para discutir a realização da nona Cavalgada, pois estavam preocupados com a organização desta, devido ao grande sucesso da última. Ficou decidido então que só seria possível a realização da nona cavalgada com o apoio da Prefeitura Municipal de Veredinha. Nessa reunião, a Comissão convidou o Prefeito “Dimazim”, que não pôde comparecer e mandou dizer que a Prefeitura não dispunha de recursos, no momento, para dar o suporte necessário. Em função disso, a Comissão concluiu que não seria possível a realização da referida festa, devido ao seu alto custo. Em 2001, para surpresa geral, a Prefeitura Municipal resolveu criar a 1ª “Festa do Peão Boiadeiro", com as mesmas atrações da Cavalgada, porém totalmente terceirizada. Contratatou Companhias de Rodeios, locutores, shows e os veredinhenses passaram a pagar ingresso, sendo meros espectadores do evento. Até este ano, 2011, a Festa continua nos mesmos moldes.
                                                       1(Texto retirado do Livro Veredinha Hist´´oria e Cultura- de Edimar L. Santos e Ivan Geraldo) 
                        Dimas 19/03/2015

7 comentários:

Anônimo disse...

Bacana,adorei a ideia!

Anônimo disse...

kkkkkk êta, não perco essa festa por nadaa..

Dimasls disse...

Sejam bem-vindos!!!!!!!

Anônimo disse...

qual sera os valores dos ingressos para cada dia de show alguem sabe me informar????

Dimasls disse...

Pelo que fui informado: Antecipado, o pacote(sexta e sábado R$ 41,00) na hora R$ os dois dias R$ 20,00(sexta) e R$ 25,00(sábado)

Anônimo disse...

uuuh mitira e entrada franca!!!!

Dimasls disse...

Amigo, esse comentário é do ano passado(5 de maio de 2011) não reparou?

GALERIA DE FOTOS VI ENCONTRO DE BANDAS DE MÚSICA EM VEREDINHA MG

Reunião para planejamento do VI Encontro de Bandas Le...